Fiquei assistindo minha mulher trepando com um pastor negão

Publicado: 20/02/2012 - 17h06 Contos eróticos

Casei com minha namorada Sara, uma mulher muito bonita, gostosa e tem uma bunda que deixa qualquer um doido. Quando casamos, trepávamos o dia todo, ela é insaciável, quanto mais fudia com ela, mais cacete ela pedia. Sua especialidade, é dar o cú e engolir porra. Como ela gosta! Tenho 18 cm. de cacete e bem grosso, soco as vezes o dia todo no cú dela e depois gozo em sua boca, ela engoli tudo com muito prazer, e pedi mais. Há tempos atrás, começamos a frequentar uma igreja, pois nem só de sexo vive um casal. Os irmãos nos recepcionaram muito bem e continuamos a ir. Até que num certo dia, o pastor teve que se ausentar por motivo de saúde e veio outro para substitui-lo. Era um negro muito alto, com uma pinta de galã. Veio ao nosso encontro, depois do culto e fomos apresentados a ele.Seu olhar para minha esposa, o entregava, vi em seus olhos desejo de possui-la. Quando veio falar comigo, me deu os parabéns, dizendo que eu era um homem de sorte. Fiz que não entendi, e fomos falar com as outras pessoas. Vez ou outra, olhava para o pastor conversando com os irmãos e ele sem conseguir disfarçar, não tirava o olho da bunda da minha esposa. Conhecemos sua esposa, uma senhora acalhada, tímida e depois ficamos sabendo que ela sofria muito de depressão. As irmãs fofoqueiras rapidamente descobriram o motivo de tanta tristeza. O pastor era um homem que gostava muito de trepar e sua esposa não, por isso eles viviam em crise. Comentaram isso para minha esposa e ainda falaram outro detalhe, que o pastor tinha um pênis enorme e muito grosso, já tinha acontecido de sua esposa parar no hospital, toda arrombada, numa tentativa de sexo anal. Notei o tesão da Sara, quando ela falava e perguntei se ela achava o pastor atraente, ela ficou meio sem jeito, sem querer responder, e disse que ela não se preocupasse, que eu já sabia a resposta. Então ela falou: acho o pastor um tesão. Insisti na conversa e a perguntei se ela tinha notado o olhar do pastor para ela. Ela disse que sim, inclusive tinha levado uma cantada dele na cozinha, quando estavam a sós. Sabendo que seria corno mais cedo ou mais tarde, pois minha esposa era muito fogosa e desejada por todos os homens. Fui direto ao assunto e a perguntei: você que fuder com o pastor? Ela sorriu timidamente e balançou a cabeça, dizendo sim. Falei que a amava e seria apenas uma fantasia nossa a ser realizada, ela ofegante concordou. Falei também que assistiria tudo, escondido. Convidamos o pastor para ir até nossa casa, ele aceitou o convite. Coloquei na sala um espelho falso, de modo que do meu quarto daria para ver tudo que se passava na sala.Chegado o dia, pedi para minha esposa vesti uma roupa bem sensual. Almoçamos e fomos para sala, esperar achegada do pastor. Estávamos sós, pois não tínhamos filhos. Ele chegou muito elegante e começamos a conversar. Após alguns minutos, pedi desculpas, e falei que ia dormir, pois estava com dor de cabeça, mas eles poderiam continuar conversando. Fui para o quarto, sentei na cama e comecei a assistir o que se passava na sala. Minha esposa foi pegar um copo d"água para ele, quando retornou e foi dar o copo para ele, vi que se tratava de um tarado, ele começou a beijá-la com força, puxando seus cabelos, rasgou suas roupas e começou a mamar nos peitos da Sara, depois de muito mamar nos peitos dela, a colocou de quatro e começou a chupar o cuzinho da minha esposa. Ela, já relaxada, aproveitava cada segundo. Eu comecei a bater uma punheta. Passados alguns minutos, o pastor tirou o pau para fora, vi a cara de espanto da Sara, era um senhor cacete, enormeee. Minha esposa começou a chupar, quando menos se esperava, uma gozada na cara dela, nunca vi tanta porra na minha vida, foi um verdadeiro banho. Gozei no mesmo momento. Sara foi se lavar, e depois retornou. O pastor sempre de pau duro a aguardava. Ele fudeu a buceta dela de tudo que era jeito, parecia um animal no cio. Sara gozava muito tambem. Mas o melhor estava por vim. O pastor colocou ela de quatro e socou no cú dela, além de ver, deu para ouvir o grito dela, deu para ver cada centímetro entrando naquele buraco. Aquele homem parecia que não via uma mulher a séculos, sua pica, parecia uma cachoeira de porra. Contei no mínimo umas oito gozadas dele. A buceta e o cú da Sara espirrava porra para tudo que lado. Exausto, depois de quatro horas fudendo minha esposa, o pastor tomou se vestiu rapidamente e foi embora. Sai do quarto e fui até a sala, chegando lá, vi a minha esposa com a buceta e o cú todo arrombado, parecia que tinha chuvido porra, estava tudo molhado. Perguntei para Sara se tinha gostado. Ela disse, que o pastor era um cavalo, "Nunca bebi tanta porra na minha vida", que precisaria tomar remédio para passar a dor, mas tinha gozado várias vezes. E me devolveu a pergunta. E você gostou? Adorei, ser corno.

Deixe seu comentário

MAIS CONTOS ERÓTICOS

Mais

  MAIS RECENTES

veja mais

  TOP ENSAIOS

mais ensaios

  TOP VIDEOS

mais videos

  TOP CONTOS ERÓTICOS

mais contos eróticos